Minha primeira viagem internacional foi por causa de um intercâmbio no México! Fiz parte do programa Cidadão Global da AIESEC, que durou cerca de 6 semanas (pouco menos de dois meses). Eu fazia parte da entidade desde o meu primeiro ano de faculdade e sempre via a maior galera animada quando falávamos da oportunidade de ir fazer trabalhos voluntários fora do país. Além disso, já havia tido minha experiência de como buddy de diversos intercambistas que chegavam na minha cidade. Eu adorava mesmo estar em contato com outras culturas e de pessoas diferentes. Depois do meu primeiro intercâmbio, decidi que iria lutar por outra oportunidade de viver aquilo de novo. Consegui uma bolsa de estudos da faculdade e parti rumo a Portugal, desta vez para ficar um semestre fora.

 

Terminei minha graduação com semestres atrasados e com uma bagagem de experiências muito valiosas para mim. Um intercâmbio foi muito diferente do outro: o primeiro foi para trabalhar voluntariamente e o segundo foi para estudar e, no entanto, os dois foram responsáveis por me tornar a pessoa que sou hoje. Aprendi muito, sorri muito, chorei muito e hoje tenho muitas saudades. Fica aqui um pouquinho da experiência que vivi:

 

1 – Para juntar a grana do primeiro intercâmbio tive que abrir mão de muita coisa. Quando digo ‘muita coisa’ é praticamente o meu salário todo. Eu morava com meus pais mas comecei a trabalhar logo quando entrei na faculdade. 10% do meu salário ficou para comprar coisas para mim e ajudar em casa. Os outros 90% ficavam no banco, guardadinhos para poder pagar a passagem, taxa da AIESEC, passaporte e pra juntar o dinheiro que eu iria usar no intercâmbio. Balada, maquiagem, roupa nova, almoço/jantar fora… Esquece! Eu tinha o objetivo então valeu muito a pena. Isso que eu disse não é lorota. (Minha mãe é leitora do blog e vai comentar no final do post se isso for mentira ahhahaha)

 

2 – Foi depois de abrir mão de tanta coisa que aprendi a realmente economizar com as coisas “desnecessárias” e gastar com o que eu chamo de ‘itens de sobrevivência’ do dia-a-dia. Me tornei muito mais controlada e meu dinheiro ficou mais eficiente. É claro que todos merecemos comprar alguma coisa nova às vezes assim, quando a grana sobra… o que é bem difícil de acontecer ahhahaha, porque ninguém é de ferro!

 

india things GIF

 

3 – A viagem que eu fiz pro méxico foi a minha primeira viagem de avião, primeira viagem sozinha e primeira experiência internacional. Tudo muito apavorante! Parece bobo, mas o desespero começa a aparecer quando você se vê num aeroporto gigante sem ninguém conhecido. Tive conexões de 11h no Panamá e de 8h quando já estava no México, pois meu voo atrasou e quaaaaaase foi cancelado. O celular não pegava e minhas coisas estavam sabe-se lá onde. Minha vontade era de ligar pro seguro e pedir ajuda para voltar para casa porque eu já estava desistindo da ideia. Esse período de pânico e desespero me fizeram saber lidar com a pressão e medo de uma maneira que eu jamais pensei que conseguisse. Estava super cansada, mas depois de um tempo fiquei concentrada no meu objetivo e deu tudo certo.

 

Leia também: Como tirar o passaporte brasileiro

 

4 – Em minha experiência como “cidadã global” fui professora de inglês e de português para alunos de uma universidade. A galera que eu ensinava tinha praticamente a minha idade e eles ficavam depois da aula para aprender comigo. Foi muito gratificante fazer algo por eles e receber o carinho dos alunos depois. No último dia super me agradeceram, fizeram uma festinha de despedida e pediram para o pessoal da AIESEC continuar o projeto com outros intercambistas que fossem para lá.

 

5 – A experiência de dar aulas também foi mais topzera ainda porque eu nunca tinha dado aulas de NADA na minha vida. Apenas dava aula de como fazer papel de trouxa mas isso não conta. Ou seja, ser professora foi um desafio enorme! Saí da minha zona de conforto com estilo e passei a valorizar ainda mais essa profissão.

 

 

6 – Morei em Culiacán, na casa de uma menina que também era da AIESEC de lá. Era a primeira vez que ela hospedava alguém do Brasil e estávamos todos com aquele pensamento tipo “eita, será que essa coisa vai dar certo¿” E deu! Ganhei uma nova família. A menina se tornou mi hermana e a mãe dela também se tornou minha mãe. A experiência foi no início de 2014 e ainda continuamos a manter contato, tanto que ela me visitou no Brasil em 2016 e passou o natal passado com a minha família, em Ribeirão Preto!

 

Itália, Polônia, Alemanha e Brasil em uma foto!

 

7 – No México também haviam outras pessoas fazendo projetos diferentes (seja trabalhando na universidade, ou empresas e até mesmo em orfanatos) e elas eram de diferentes nacionalidades. Tínhamos brasileiros, peruanos, americanos, indianos, nigerianos e mexicanos todos juntos em um só lugar. Em Portugal era a mesma coisa: A galera da Alemanha, Espanha, Itália, Polônia, Luxemburgo, Inglaterra vivia toda comigo! Isso foi excelente para conhecermos um pouco mais das culturas de cada região desse mundão e também para praticar outras línguas. Hoje sei falar “olá” e “obrigado” em mais de 5 idiomas e garanto que eles também o sabem fazer em português!

 



 

8 – O fato de conhecer outras culturas não significa que tudo seja “só festas”. Cada indivíduo possui suas esquisitisses e os gringos não fogem a regra. Todos são muito legais e tals, mas passamos também a conhecer as manias e hábitos de cada um deles. Isso significa que muitas vezes pode haver aquele choque cultural que nos faz tão diferentes das pessoas de outros países. Lidar com tudo isso exige muito jogo de cintura e muito respeito, porque cada cultura é única e os hábitos devem ser respeitados acima de qualquer tipo de julgamento. #ficadica

 

9 – Estudar em um lugar diferente não é a mesma coisa que estudar na sua universidade. As minhas aulas eram em português e em inglês. Mesmo assim foi difícil entender o sotaque do professor e o conteúdo, mesmo que eu soubesse do que se tratava aquela aula. Era tudo muito diferente. Método de ensino, tipos de avaliação… Não vá achando que é tudo igual porque não é. Mas vou te contar um segredinho: não se prenda tanto aos estudos enquanto está em intercâmbio não!

 

Leia também: Diferenças entre português do Brasil e Português de Portugal

 

Não estou falando para você ficar apenas viajando, indo em restaurantes, festas e zoando por aí. Mas não leve tão a sério! Se estiver vivendo uma experiência assim, administre seu tempo para você aproveitar a cidade onde está vivendo e o redor também. Não resuma seu intercâmbio a passar o dia todo em salas de estudos!

 

10 – Em ambas as experiências de intercambista a parte que eu mais gostava era de explorar o meu redor. Viajar! Além de passar pelos supermercados e restaurantes para ver o que é que tinha de diferente por lá, o que eu mais curti foi conhecer novas paisagens. Só tinha visto Teotihuacan em livros de história! Pastel de Belém eu só tinha visto no Habibs! Tudo isso foi muito legal e começou a me despertar uma vontade incessante de querer conhecer mais e mais países e culturas.

 

Minha hermana e minha buddy mexicana <3

 

11 – O intercâmbio é tão marcante para um indivíduo porque ou ele cresce ou ele cresce. Ou ele aprende ou ele aprende. Você acabaem situações onde precisa saber lidar com AQUILO e NAQUELE MOMENTO que nunca tinham acontecido antes e só seria possível de acontecer nesse tipo de experiência. Um exemplo simples é você se atrapalhar durante uma conversa em inglês com um nativo. Ou então fazer compras em um supermercado onde você não entende quase nada dos rótulos… Bobo mas difícil, né

 

Leia também: Morar fora do Brasil: Quando bate a saudade

 

12 – Enfim, o último dos itens e o mais importante deles é o valor que você passa a dar para a sua família. Muitas vezes é graças a sua família que você está tendo a oportunidade de estar fora do país. Comigo não foi diferente. O sentimento de saudade é transformado cada vez mais em gratidão por terem te ensinado tudo o que você sabe sobre se relacionar com outras pessoas e por terem ajudado na formação do indivíduo que você é. Você se torna super grato em tê-los ao seu lado e passa a se relacionar com eles de uma maneira super diferente quando você volta de viagem.

 

Você teve algum aprendizado diferente destes que estão aqui ou concorda com o que eu escrevi? Comente aqui em baixo!

Compartilhe com os seus amigos se você gostou!

 


PLANEJE SUA VIAGEM COM O BLOG!

HOSPEDAGEM: Booking | Hotels.com HostelsclubGanhe R$ 130 com Airbnb

SEGUROS-VIAGEM: Seguros Promo – 5% de desconto com cupom VOUPRAONDE5

ATRAÇÕES E INGRESSOS: Get Your Guide | Viator

PACOTES DE VIAGENS: CVC | PASSAGENS DE TREM: Rail Europe 

PASSAGENS AÉREAS:Latam | Voopter | Viator | ALUGUEL DE CARROS: Rent Cars

Relacionado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *